sábado, 5 de novembro de 2011

Peregrina



Peregrina

Eu ando pelo mundo
abrindo cortinas
atravessando muros
Carrego comigo a certeza
Das incertezas faço pouco
Mergulho profundamente
A névoa da solidão
espanto com o sopro do pensamento



6 comentários:

Chorik disse...

Belíssimo quadro. Continua andando, amiga, que a solidão persegue os bons que param.

Leonardo B. disse...

[esse corpo em palavra de que se faz o aprendiz de peregrino]

um abraço, Lucia

Leonardo B.

Lucia Alfaya disse...

A do poema não sou eu, é a da tela! Não tenho tanta segurança assim!
Que bom que gostou, obrigada!
Bjs e muita paz e luz!

Lucia Alfaya disse...

Obrigada Leonardo, como diz uma amigo meu, sou uma eterna aprendiz... Mas tenho peregrinado muito pouco!
Bjs

Terráqueo disse...

Nossa, esse quadro está fantástico. Bjs

Bípede Falante disse...

E com as cores, os traços e a sensibilidade da artista.
beijosss