sexta-feira, 7 de maio de 2010

Poema com flores





Este post é para homenagear todas as mães que no próximo domingo comemoram seu dia, por todos os dias que eu tive junto da minha, por todos os dias que eu quero ter com minha filha, para aquelas que estão aqui e para as que se foram:


PARA SEMPRE

Porque Deus permite
qua as mães vão-se embora?
Mãe não tem limite,
é tempo sem hora,
luz que não apaga
quando sopra o vento
e chuva desaba,
veludo escondido
na pele enrugada,
água pura, ar puro,
puro pensamento

Morrer acontece
com o que é breve e passa
sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça,
é eternidade.
Por que Deus se lembra
- mistério profundo -
de tirá-la um dia?
Fosse eu Rei do Mundo,
baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
mãe ficará sempre
junto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino
feito grão de milho.

Carlos Drummond de Andrade

6 comentários:

Chorik disse...

Peço licença para acompanhá-la nessa bela homenagem às mães. E aproveito para cumprimentá-la antecipadamente. Ótimo fim de semana para você e sua família.

Leca disse...

Vim até aqui...
para te trazer gentilezas...
e beijos gentis...
Leca

Lucia Alfaya disse...

Chorik e Leca

Obrigada pelo carinho. Tenham um belo domingo! Bjs

Lúcia

I.Moniz Pacheco disse...

Parabéns um pouco atrasados, mas sinceros.

Bípede Falante disse...

Lúcia, ontem, eu estava ambivalente com o dia das mães. Então, não pude escrever muito. Mas agora, com calma, posso. Obrigada pelo belo e inspirador Drummond.
Beijo.
Bípede

Lucia Alfaya disse...

Bípede, estava mesmo sentindo sua falta, não fique muito tempo sem aparecer. Bjs.
Lúcia