quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Eu, no MAM?

Também em 2008 aconteceu o convite para auxiliar a ministrar o curso de Edson Calmon intitulado Recorte, Monte e Reconte – Uma Pedagogia do Olhar no MAM de Salvador. Foi uma experiência riquíssima que compartilho agora com vocês, através de algumas fotos do local (que vale a pena uma visita), do evento, de alguns trabalhos dos alunos que eu acompanhei mais de perto e aos quais eu, aproveitando esta oportunidade, agradeço pela experiência rica e gratificante.



















Mestre Edson Calmon













Depois desse evento, resolvi escrever um texto de agradecimento e revelação chamado



Imagem Singular


Demorei para perceber o que havia ocorrido comigo naqueles idos de 2001. Foram precisos alguns anos para entender o que aconteceu quando participei do curso Recorte, Monte e Reconte, ministrado por Edson Calmon. Somente agora percebo que Edson é um hospedeiro transmissor de um vírus que, uma vez inoculado, fará parte da vida de quem o contrair para sempre.


Em agosto de 2008 fui convidada por Edson Calmon, juntamente com mais quatro artistas, para ajudá-lo a ministrar o mesmo curso para uma turma de cento e trinta professores da rede pública de ensino do estado da Bahia, num galpão do MAM – Museu de Arte Moderna da Bahia.


Ao rever as técnicas aprendidas em 2001 e observar os alunos em seu deslumbramento inicial pelos trabalhos produzidos, tive a revelação do que havia acontecido sete anos atrás: Edson Calmon transmite a seus alunos o vírus da Imagem Singular.


Após a transmissão, os alunos passam a apresentar alguns sintomas bastante característicos:


- Perda da visão central – as imagens completas são relegadas a segundo plano e começam a enxergar a parte, o seu entorno, o detalhe periférico, a forma, a cor, o positivo e o negativo;


- Criação de um amigo imaginário – o acaso passa a ser visto como coadjuvante na criação de imagens singulares e claramente subversivas, que alteram a ordem e o senso comuns;


- Subtração furtiva de imagens – os alunos passam a comportar-se de forma inadequada quanto ao “patrimônio” alheio. Tornam-se o terror das recepções e as revistas (matéria prima das colagens) sofrem saques sorrateiros e dissimulados;


- Recorte da paisagem – o céu jamais será visto da mesma forma pela pessoa que foi contaminada. No cérebro atingido, abre-se naturalmente uma janela que começa a limitar e enquadrar tudo que vê pela frente. O firmamento é recortado pelo concreto dos edifícios, a paisagem é esquartejada, as cores e formas se combinam para produzir uma pintura na mente do observador. Uma mancha na parede deixada pela umidade, as sombras projetadas nos muros e no chão, as linhas paralelas dos fios e cabos que cortam o espaço, a imensidão do mar, o infinito do céu, tudo isso passa a ser visto de uma nova forma. Surgem então possibilidades pictóricas originais, ricas de conteúdo estético e equilíbrio entre cor e forma.


Somos todos, alunos de Edson, portadores dessa mensagem. Jamais nos libertaremos desse novo modo de ver as coisas e longe de ser uma maldição, devemos agradecer pelo presente desse olhar original que ajuda e conduz a criação de cenários fantásticos, paisagens surreais e figuras que em sua originalidade são capazes de encantar, surpreender e hipnotizar o observador.


Edson, mais uma vez, muito obrigada!


Um comentário:

I.Moniz Pacheco disse...

Passei por tudo isso. Tornei-me outro olhar. Queria muito transformar em palavras essas sensações que voce sabiamente traduziu aqui. Obrigada por me lembrar disso tudo novamente. Obrigada pela companhia.
Bj, outro, tchau