domingo, 5 de setembro de 2010

Fuga








Ponto de fuga
Perspectivas cinzas
Futuro no presente
Presente sem futuro
Tic-tac tic-tac
Dia após dia
Após dia
Após dia
Tédio
Morte
Solidão
Girassol negro
Do tempo perdido


10 comentários:

Bípede Falante disse...

Lucia, posso correr por essa saída como se ela fosse uma máquina de viajar no tempo, porque o seu talento é atemporal e universal. Belíssimo quadro e chocante poema, que você choca com uma ironia de cortar até aço.
beijos!

Terráqueo disse...

Lúcia,

Que poesia fantástica. Gostei muito do quadro. Ele me perturbou, evoca a sensação de fuga, angústia, passagem obrigatória. O cinza assume uma força incrível. Lindo.

Lucia Alfaya disse...

Queridos Terráqueo e Bíbede mais uma vez e sempre obrigada pelo carinho. É interessante como, no meu caso, as imagens provocam a poesia, e uma e outra parecem ter nascido do mesmo óvulo, embora produzidas em momentos diferentes.
Beijos
Lúcia

IMAGINARIVM disse...

Lucia;

Só por observarmos na essência das leituras, tanto da arte como do discurso poético algum estranhamento, questionamentos, sintonia ou identificação com a identidade do outro, traduz a certeza de que o trabalho alcançou o seu objetivo.

Beijão!

Juray

Bípede Falante disse...

E é interessante como no Terráqueo o quadro despertou a passagem despertou angústia e em mim a sensação boa que tenho em relação a uma viagem, ou seja, é interessante quantas percepções a sua obra pode acionar.
bj.

Chorik disse...

Caramba, que sintonia entre palavras e imagem. Que corredor é esse Lucia, onde vai dar?

Bj

Lucia Alfaya disse...

Jura

que bom que você apareceu por aqui, adorei, volte sempre.
Concordo com você, acho que entre os objetivos da arte está o de propor questionamentos além, é claro, de despertar emoções. As diferentes leituras provêm do olhar de cada um e das experiências muito particulares que cada um viveu.

Grande abraço

Lúcia

Lucia Alfaya disse...

Bípede

os olhares são tão diferentes quanto diferentes são as pessoas. Uma das coisas que a arte proporciona é essa visão múltipla de uma mesma imagem e isso enriquece tanto a obra quanto o artista. Seus comentários sempre me enriquecem muito.

Bjs

Lúcia

Lucia Alfaya disse...

Chorik

Como você pode observar, pelos comentários, esse corredor tanto pode levar a uma viagem fantástica quanto ao precipício da angústia. Acho que depende de cada um, cada olhar é único e pode variar com o estado de espírito, o momento. E você, o que acha que existe no fim do corredor, além da porta ao fundo?

Bjs

Lúcia

Moniz Fiappo disse...

E eu precisando de uma fuga...