segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Detalhe II





...

Meu olhar busca aflito
a serenidade do encontro
O espelho me devolve
a turbulência da dúvida
O infinito não me preenche
O vazio transborda
Negro como a escuridão
de uma noite sem sonhos

...

5 comentários:

Bípede Falante disse...

Que imagem incrível a do espelho devolver a dúvida! Que forte, Lucia! E que olho tem essa mulher!
beijo

Chorik disse...

Pior que o infinito que não preenche é o vazio que transborda. Baita poesia essa, belo casamento com a imagem, como sempre.

bj

Moniz Fiappo disse...

Não tenho o que dizer. Que casamento hein? belíssima poesia, fiquei assim... sem palavras.

Terráqueo disse...

Lúcia,

Quanto talento. Bj.

Lucia Alfaya disse...

Queridos Chorik, Terráqueo, Bípede e Ivonete

Vocês sempre me fazem muito feliz com os comentários que deixam aqui neste espaço. Obrigada. Para mostrar um trabalho, um escrito, quando não nos consideramos nem escritores nem pintores, há que se armar de um pouco de coragem e vocês me estimulam a continuar produzindo com palavras tão carinhosas.

Beijos e um feliz 2011.